06.06.06 - DIA 06 DE JUNHO DE 2013
 
O SIMBOLISMO SAGRADO DOS NÚMEROS Os números são símbolos que transmitem uma mensagem cifrada em diferentes níveis de evolutivos. Os números transmitem uma informação transcendente, com suas características próprias. Filón diz que o número 6 é “o mais produtivo de todos os números”. No sexto dia o Homem foi criado, segundo a Gênese. O Selo de Salomão representa o número 6, com suas seis pontas e indica o equilíbrio perfeito. No Ocidente, nos dados, é o número ganhador. No Cristianismo representa a finalização e a perfeição: os seis dias da Criação. Na Cabala é o número a beleza e da Criação. Para Pitágoras, o 6 é um número de sorte e casualidade, pois se referiam à ocasiões como uma mulher se torna mãe. O 6 se utilizava nas imagens sagradas, aludindo sobre a sexualidade da Deusa Afrodite. Seis dias durou na Cultura Babilônica o dilúvio. Gilgamesh passou seis dias e outras noites sem dormir para alcançar a imortalidade. No Avesta se narra a existência de seis arcanjos e seis arquidemônios. A chamada Árvore Cósmica tem três raízes e três ramos, e que resultam em seis extremidades. Os egípcios antigos tinham, para seus mais altos sacerdotes, uma Escola Misteriosos dos Seis, de acordo com a estátua de Ei-Meri, cujo título sagrado é Chefe da Morada do Grande Seis. Os druidas tinham uma clara preferência pelo número 6. Suas cerimônias eram normalmente no sexto dia da lua, e no sexto dia que a lua começava seu ano, e sempre eram seis que iam buscar o sagrado visco, e em seus monumentos se observam com freqüência grupos de seis sacerdotes. 666 é um numero temido e considerado maligno. As raízes destas crenças se perdem no tempo. Para cada cultura e época possuem especiais significados, como por exemplo que é o número da Besta, do Anti Cristo, de Hakatriel. Na Cabala é o numero de Sorath, o demônio solar que enfrentou Arcanjo Miguel. O 666 também representa o número solar, a soma do quadrado do sol, a cifra básica da geometria sagrada. Nesse dia 6.6.6 que possamos passar em muita harmonia, pois é tempo de repouso e paz. É necessário meditar, assimilar e, com tudo que se experimentou, de forma harmônica, tranqüila. A ação se freia, e se inicia um momento mais pausado, para a analise e reflexão. O 6 se nutre a si mesmo e aos demais; marca o princípio da entrega aos demais, da busca desinteressada do bem comum. Helena Gerenstadt