ENTUSIASMO
 
Ralph Waldo Emerson escreveu certa vez: “Nada de importante é conseguido sem entusiasmo.” No Grande Tabernáculo Mórmon de Salt Lake City, um orador convidado deveria falar, de acordo com o programa, durante quarenta e cinco minutos. Falou por mais de duas horas. Quando terminou, dez mil homens e mulheres aplaudiram-no de pé durante cinco minutos. O que foi que disse o orador para despertar esse tipo de reação? O que disse não foi nem de longe tão importante quanto a maneira como disse. A multidão foi arrebatada pelo entusiasmo do orador, e, com toda probabilidade, não se lembrava de muitos dos detalhes do que ele dissera. Louis Victor Eytinge cumpria prisão perpétua na penitenciaria estadual do Arizona. Não tinha amigos, nem advogado, nem dinheiro. Mas tinha, de fato, entusiasmo, que usou com tanta eficácia que, no fim, trouxe-lhe a liberdade. Eytinge escreveu à Remington Typewriter Company contando suas tribulações e pedindo à companhia que lhe vendesse a crédito uma máquina de escrever. A companhia fez melhor do que isso. Deu-lhe uma máquina. Ele começou escrevendo a empresas, solicitando-lhes seus prospectos de vendas – que reescreveu e devolveu. A revisão de texto foi tão boa que, antes de muito tempo, tinha dinheiro suficiente, proveniente de donativos, para contratar um advogado. Na verdade, o trabalho que fazia era tão competente que chamou a atenção de uma grande agência de publicidade de Nova York, a qual, com ajuda do advogado, conseguiu-lhe o perdão. Ao sair pelos portões da penitenciaria, foi recebido pelo presidente da agência, que o saudou com as seguintes palavras: - Bem, Eytinge, seu entusiasmo se provou mais forte do que as barras de ferro desta prisão. A agência tinha um emprego para ele. A repetição constante não deslustra o velho adágio que diz que “nada é tão contagioso quanto o entusiasmo”. O entusiasmo é a onda de rádio através da qual você transmite aos demais sua personalidade. É mais poderoso do que a lógica, a razão ou a retórica para conseguir que suas idéias sejam aceitas e em conquistar pessoas para seus pontos de vista. Um chefe de vendas altamente bem-sucedido diz que o entusiasmo é o traço isolado mais importante do bom vendedor – contanto que seja sincero e evidente. – Quando apertar a mão de alguém, ponha alguma coisa extra no aperto, algo que faça a outra pessoa pensar que você está realmente feliz em vê-la – diz ele. Uma palavra de cautela: nada é tão falso quanto o falso entusiasmo – a exibição excessivamente enérgica, esmagadora, que todos podem reconhecer e da qual todos desconfiam. Um exemplo de como o entusiasmo pode levar alguém ao sucesso é dado pela carreira e vida de Jennings Randolph. Depois de formar-se no Salem College, na Virginia Ocidental, Randolph entrou na política e fez uma campanha tão convincente que foi eleito com grande vantagem, vencendo um adversário mais velho e mais experiente. Devido ao seu sucesso em influenciar colegas na Câmara, o presidente Franklin Delano Roosevelt convidou-o para comandar a legislação especial de tempos de guerra na Câmara dos Deputados. Em um concurso publico de popularidade, realizado por um grupo de professores de Washigton, Roosevelt e Randolph foram votados unanimemente como as personalidades mais fascinantes do governo da época – embora Randolph chegasse à frente do presidente neste particular, graças à capacidade de influenciar pessoas com seu entusiasmo sem limites. Após quatorze anos no Congresso, Randolph resolveu aceitar um dos muito convites que lhe eram feitos pela industria privada. Tornou-se assistente do presidente da Capital Airlines, à época em que a companhia operava no vermelho. Dentro de dois anos, graça a sua energia sem igual, ele ajudara a Capital Airlines a superar todas as outras companhias aéreas em rentabilidade. Falando sobre a personalidade encantadora de Randolph, disse o presidente da Capital Airlines: – Ele mais do que merece o salário que ganha, não só pelo trabalho real que faz, mas, sobretudo, pelo entusiasmo que inspira em todos os demais membros da empresa. Ninguém nasce entusiástico. Trata-se de uma qualidade adquirida. E podemos adquiri-la, também. Lembremo-nos que, em praticamente todos os contatos com outras pessoas, nós tentamos, em certo sentido, vender-lhes alguma coisa. Isso é verdade em todos os relacionamentos, menos nos mais banais. Em primeiro lugar, convença-se do valor de sua idéia, de seu produto, de seu serviço – ou de si mesmo. Examine-os criticamente – e a você também. Descubra os defeitos em tudo que esteja tentando vender e corrija-os de imediato. Convença-se inteiramente da perfeição de seu produto ou idéia. Armado com essa convicção, cultive o hábito de pensar positivo, vigorosa e energeticamente, e descobrirá o entusiasmo desenvolvendo-se em si e por si mesmo – com o som convincente da sinceridade autentica ajudando-o a projetá-lo para os demais. Do livro: Um ano para enriquecer – Napoleon Hill – Editora Record. CARTA DA PROSPERIDADE Tenho consciência da abundância em minha vida e agradeço. Tudo o que necessito vem à mim com facilidade, harmonia e equilíbrio. O Universo carinhoso me prove e me nutre. E através destas pessoas me dá energia para continuar. O amor me dá coragem de decidir pelo bem. O bem está em nossos corações e é a energia que faz com que tudo prospere... A prosperidade só é conseguida através da paciência e sabedoria que nos dão os caminhos precisos a serem trilhados E assim o caminho rumo à prosperidade se torna iluminado, com as bênçãos do saber divino e infinito. Fazendo com que as pessoas deixem de ser unitárias para juntas serem unidade. Formando o Todo, uma Grande Consciência. A grande consciencia traz o verdadeiro sentido da vida, de nossa existência. De sermos generosos para a abundancia acontecer. Somos prósperos em todos os campos da vida, ou seja, material e espiritual. Felizes em consciência, podemos prosperar equilibradamente, em todas as ciências. Do coração à consciência. Da luz à vida, da ternura ao Amor Maior. Somos Um!